quarta-feira, 28 de março de 2012

Atentado é flagrado por câmeras de TV em João Pessoa

Link original: Leia AQUI

A tentativa de assassinato de um encanador de 21 anos foi flagrada pelas câmeras de uma emissora de televisão na madrugada do dia 18, na porta de um bar na periferia de João Pessoa, na Paraíba. A vítima levou seis tiros, mas foi socorrida e está fora de perigo. A imagem do crime foi compartilhada por usuários de várias redes sociais na internet.


Depois de levar quatro tiros dentro do estabelecimento, Rodrigo Ferreira da Silva estava deitado na calçada, esperando socorro, quando a equipe da TV Correio chegou. Enquanto o cinegrafista gravava a cena, um homem (que ainda não foi identificado) se aproximou e disparou mais duas vezes contra Silva. A vítima foi levada para o Hospital de Trauma. Em entrevista à rede de televisão, o encanador disse que foi atacado por seis homens. “Um deles bateu na minha cabeça com um capacete. Outro me segurou e outro atirou quatro vezes”, contou o encanador. “Consegui correr e pulei um muro. Pensei que eles tinham ido embora e voltei ao bar para pedir socorro. O que atirou ainda voltou, mas o revólver estava sem bala. Ele foi buscar bala, voltou e atirou na minha cabeça”. A vítima disse que não existia motivo para o atentado. “Ele não tinha motivos para atirar em mim. Eu me envolvi em uma confusão com um amigo dele em uma festa. Mas já faz muito tempo”. A chefe de produção da TV Correio, Kátia Dumont, disse o crime foi um dos casos mais inusitados que a equipe de reportagem da emissora já flagrou. Segundo ela, o cinegrafista chegou tremendo à emissora. “Ele não sabe avaliar se teria ficado no local do crime se soubesse que o criminoso voltaria para dar mais tiros”. COMENTÁRIO DO KOMBATO: É claro que era algo inesperado para quem estava já baleado. Mas existem duas coisas a pensar: 1. O bandido volta para acabar o seu serviço. Isso costuma acontecer, mas raramente, claro na frente da televisão. Se ele tivesse condições (não dá para saber), ele poderia ter entrado em outro veículo se houvesse para fugir. 2. Mesmo baleado se pode lutar pela vida. No DECAF 2 existe EXATAMENTE este cenário dentro das técnicas de execução.