sexta-feira, 10 de agosto de 2012

DEFESA PESSOAL? PARA QUE?

Todo mundo precisa de autodefesa e segurança. Não existe dúvida quanto a isso. Basta abrir um jornal. Todo mundo precisa de água, comida, teto, segurança. Então porque poucas pessoas praticam defesa pessoal?

Aqui cito algumas desculpas que as pessoas dizem para não aprender a se defender:

1. “Não tenho tempo para isso”. Isso é uma péssima desculpa, mas a culpa é da falta de compreensão do que é autodefesa.  Não é necessário ficar 6 a 8 horas por dia treinando para ficar bom em defesa pessoal. De 6 a 8 horas por dia, é o tempo que ATLETAS dedicam ao treinamento de esportes de competição, e somente tem tempo para isso estudantes que ainda não consomem 8 horas por dia trabalhando para sustentar família, ou profissionais do ramo de lutas. O tempo necessário é de somente 2-3 horas semanais. Não é necessário mais que isso para você obter treinamento de qualidade, preparo físico, e os demais benefícios. Como disse Jim Wagner, um amigo de um amigo meu, uma vez em um texto: “o cidadão consegue ver football tomando cerveja sentado no sofá horas por semana, mas não consegue pensar em gastar algumas poucas horas semanais para proteger sua família.”

2. “Depois que inventaram arma de fogo, não tem mais este negócio de arte marcial”. Essa é uma das desculpas mais idiotas que alguém poderá dizer. Em primeiro lugar, a imensa maioria das agressões feitas por cidadãos acontece desarmado, ou com facas. Estamos em um pais onde quase todos os cidadãos andam desarmados - porque a lei praticamente nos obriga a estarmos desprotegidos; De qualquer forma, se um bandido tiver arma e for lhe assaltar, você deve entregar. Mas se um bandido tiver a intenção de lhe matar, você esperaria ele te mandar para outro mundo ou reagiria? Prefere morrer sem ao menos tentar reagir? E se arma estiver apontando para seus filhos? Vai ficar sentado esperando seus filhos morrerem na sua frente?

3. “Tenho medo de me machucar”. Bem, é bom lembrar que o lugar onde acontecem a maior quantidade de acidentes é dentro de casa. E muita gente que diz que “tem medo de se machucar”, mas pratica futebol de fim-de-semana, e se arrebenta. Tudo isso mostra uma grande dissonância cognitiva. Mas muito disso é porque as pessoas confundem lutadores profissionais com defesa pessoal. Lhe asseguro que defesa pessoal e vale-tudo são tão parecidos quanto uma banana com um astronauta. Com duas a três horas de treino semanal, você busca também saúde, mas com 6 a 8 horas por dia, você busca lesões. Se a falta de treinamento é prejucial, o excesso também é. Este excesso não é necessário para ficar preparado para a violência.

4. “Violência só acontece com os outros”. Este “espírito de negação” é algo a beira do inacreditável. Com toda a violência que vemos todos os dias nos telejornais, internet e todas as mídias, é ridículo imaginar que existam muitas pessoas que pensem assim. São pessoas completamente fora da realidade, que só se convencem de que segurança é verdadeiramente necessária quando uma desgraça cai sobre eles ou sobre a família, ou seja: quando é muito tarde.

5. “Aulas de defesa pessoal são muito caras”. Isso também não é verdade. Se um casal sai para ir ao cinema e jantar, gastando mais ou menos umas 4 horas, custará muito mais que uma mensalidade de academia que lhe dará no MÍNIMO o dobro de horas de treinamento. A não ser claro que você leve a sua mulher para comer cachorro quente na barraca do “zezé”. Mas se você é pão-duro a este ponto, acredito em tudo.

6. “Vou ficar masculinizada”. Isso é outra falácia. Ser masculina é algo de cabeça, e não tem relação com lutas e muito menos com defesa pessoal. Com 2 a 3 horas semanais, o corpo fica em forma, mas não as tornaria “sem cintura”, ou com “braços de halterofilista”. O estranho é que mulheres precisam mais de defesa pessoal que os homens, pois são mais frágeis e tendem a ser menores, além de alvo para estupradores etc. Mas de uma forma geral, existem muito mais homens que mulheres em academias aprendendo defesa pessoal. Muitas mulheres acham que “não é uma obrigação delas aprender a se defender”, e com este pensamento, todos os dias a delegacia de mulheres recebe inúmeras denúncias de agressões, estupros, ameaças, abusos etc

7. “Não tenho idade para isso”. Isso é outra falácia para quem faz Kombato. Leciono para alunos de 5 e de 72 anos. Defesa pessoal não é uma “opção”. Diferente de um esporte, você não escolhe fazer porque acha bacana, mas sim porque precisa. Meu aluno de 72 anos aprendeu a usar a bengala dele com grande eficiência, e as crianças apreendem coordenação e outras qualidades para o futuro, além de noções de segurança.


8. “Não estou a fim de me misturar com aquelas pessoas estranhas”. Pelo que entendi, as pessoas imaginam que praticar defesa pessoal significa que irão lutar com ogros ou coisa assim. Admito que muitas vezes isso é verdade no mundo das artes marciais, onde existem  muitas pessoas que gostam de parecer mais assustadores. Só que o objetivo de defesa pessoal é simplesmente se defender, e não deformar mãos, pés, canelas, nariz ou orelhas.

Alguns comentários do Kombato sobre cada desculpa destas:

1. O curriculo de técnicas do Kombato é desenhado para 2 horas semanais, para você poder evoluir de 6 em 6 meses para uma nova graduação, onde aprenderá técnicas novas. É claro que treinando mais horas por semana, ou aulas particulares, se aprende mais rápido, e se fixa melhor cada técnica e cada pensamento e estratégia relacionados, mas isso depende do tempo disponível de cada um. Nem autônomos, nem militares, nem policiais, nem profissionais liberais de qualquer carreira dispõe de 8 horas por dia para treinar, e nosso público é o de pessoas que não vão competir, logo não precisam disso.

2. O Kombato tem um curso chamado “decaf”, que é a matéria da 4a graduação, para as situações onde alguém lhe ameaça (leia novamente: AMEAÇA), e quer lhe matar, e com este conhecimento você tem toda a chance de se livrar do problema, que é melhor do que ficar esperando a morte chegar.

3. O Kombato coloca os alunos para lutar, pois sem este treinamento nenhuma habilidade é possível, mas além de obrigarmos o uso de protetores, temos meios de impedir que o aluno se lesione.

4. O Kombato ensina a verdadeira e horrenda face da violência, mas ensina a como evitar e como lidar com ela. Simples assim.

5. O Kombato tem valores diferenciados, de aulas em grupo a particulares, para permitir que todos possam aprender. A missão da nossa organização é dar mais segurança para a população, tornando-a consciente do que é violência, e ensinando a forma correta de enfrentá-la.

6. Aproximadamente 15% das turmas são de mulheres. Nenhuma delas se tornou masculinizada. O Kombato se adapta ao praticante, e não ao contrário.

7. Não importa quem você seja, o Kombato tem muita coisa para lhe ensinar, e ele se adaptará as suas necessidades.

8. No caso do Kombato, a maioria das pessoas que praticam são profissionais liberais de todo o tipo, que certamente não tem intenção de se deformar.

Em suma. Não existe desculpa para você não estar aprendendo Kombato conosco!


Mestre Paulo Albuquerque