segunda-feira, 22 de julho de 2013


ASPECTOS DO KOMBATO 1: PREPARO FÍSICO NAS AULAS


Todas as atividades físicas, sejam uma corrida ou até mesmo jogar xadrez se beneficiam (ou necessitam) de um preparo físico direcionado para aquela atividade. O Kombato,  como qualquer destas atividades tem necessidades específicas. Vou citar cada uma delas , e em alguns casos comparar com outras atividades para melhor compreensão do que é necessário.

1) Tempo de treinamento.

Os alunos de Kombato não são atletas profissionais de competição. São médicos, engenheiros, militares, policiais, estudantes universitários, donas de casa, profissionais da área de segurança. Estas pessoas não podem dedicar 6-8 horas por dia para preparo físico, pois tem outras profissões. Em média dispõem de 2 a 4 horas de treinamento de Kombato por semana.  Cada aula de 1 hora só pode dispor de no máximo 1 terço do tempo total em exercícios físicos. Assim, no total, cada aluno dispõe de 40 a 80 minutos semanais de treinamento físico. Desta forma, o tempo usado não pode ser desperdiçado: cada minuto deve ser o melhor possível, com as pausas de descanso calculadas perfeitamente.

2) Resistência cardio vascular

Um lutador de boxe profissional treina para lutar 20 rounds, ou seja 60 minutos de luta, e mais 20 minutos de intervalo. Isso se deve ao fato de que se um confronto se extender bastante, ou seja, todos os 15 rounds de luta, ou seja 45 minutos, ele possa suportar, e fazer o máximo pra manter a excelência da técnica. No entanto isso é muito distante do que  acontece nas ruas. Dificilmente um confronto real duraria mais que um minuto; o mais provável é que dure apenas alguns poucos segundos.
Comparativamente, o treinamento de boxe é uma maratona, e o treinamento de Kombato corresponderia a 400 metros rasos. Ou seja: apenas explosão muscular, durante um curto espaço de tempo.

Nota do Instrutor Daniel Villela: há três fases de gasto de energia, ocorrendo sempre e simultaneamente, mas em proporções diferentes dependendo do tipo de exerção física: 5-15 segundos de explosão usam primordialmente ATP e fosfato de creatina; 20 a 120 segundos se valem de glicose; mais de 2 minutos e o corpo está buscando estoques de gordura para alimentar suas células e processos metabólicos. Enquanto as lutas de Kombato usarão, conclui-se, ATP e glicose, não se descarta a importância de aumentar a estamina do praticante incentivando que ele faça atividades de duração mais prolongada, tipicamente classificadas como "aeróbicas": corrida, remo, ciclismo, natação, escalada, sessões mais prolongadas de Kettlebell, etc. Fica claro, porém, que não será durante as aulas de Kombato que esta estamina será incrementada, por falta de tempo e escala de interesse diferenciada.


3) Flexibilidade

É necessário pouca ou nenhuma flexibilidade nas pernas para praticar Kombato. Existem 4 chutes na altura do joelho, que são os principais golpes com as pernas;  3 na altura do quadril. Os demais chutes, 1 nas pernas, 3 na costela e 1 na altura da cabeça são apenas e exclusivamente por necessidades acadêmica: Alguém na turma precisa aprender a dar o chute, para que o Kombatente aprenda a defender. Simples assim. A única flexibilidade realmente necessária é para os braços, e é obtida dando os socos na extensão completa. O treinamento adicional sugerido, o Kettlebell Training já desenvolve a flexibilidade necessária. Como se sabe hoje (e como foi citado na literatura de preparo físico dos russos), a flexibilidade não previve lesões.

Nota do Instrutor Villela: falta de flexibilidade, por outro lado, pode se entendida como falta de força reflexiva. Isso significa que, para muitos, o impedimento de tocar os dedos das mãos nas pontas dos pés, com joelhos esticados, não é resultado de "tensão acumulada nos posteriores de coxa" ou "predisposição genética", mas um sinal do corpo de que não se vê confiante em inclinar o quadril anteriormente - resultado de muitas horas diárias sentando em frente ao computador, volante do carro ou televisão. Músculos abdominais fracos, estabilizadores de coluna descondicionados e assimetrias causam o que alguns acham ser falta de flexibilidade, mas que o treinamento de força pode corrigir. Para suprir tais carências, o aquecimento dos kombatentes deve conter exercícios como marcha cruzada, escalada no chão, respirações diafragmáticas com movimentos de cabeça e perdigueiros, a fim de dar mais segurança aos "governantes centrais" de seus corpos e permitir que sua amplitude de movimento seja alcançada.


4) Qualidade dos exercícios


Os exercícios físicos devem ser feitos na forma correta, o mais perfeito possível. Não apenas para ter o efeito desejado, mas para evitar lesões. A busca da qualidade técnica de cada flexão, abdominal ou agachamento é absoluta. Na aula regular, é importante que seja treinamento com peso corporal. Isso permite que o instrutor lecione para uma grande quantidade de alunos de uma vez (nosso recorde: 1 aula com 800 fuzileiros do Batalhão Humaitá). E tem a vantagem adicional de podermos fazer este treino em praticamente todos os ambientes: praia, campo, quartel. E o aluno aprende exercícios os quais poderá aperfeiçoar a técnica sozinho.

Nota do Instrutor Daniel Villela: Na disputa entre qualidade Vs quantidade, a primeira sempre ganha, pois se o aluno já faz uma forma do exercício com facilidade por diversas repetições ele deve ser instruído a uma versão mais difícil; portanto, o aluno mais fraco deve ser o foco dos instrutores, para que sua técnica não se deteriore. Melhor diminuir o ritmo e conseguir 3 boas repetições do que correr por 30 e se aproximar silenciosamente de uma lesão.

5) Força muscular


Força física é a primeira valência que é necessária no treinamento. Para isso buscamos conhecimento na melhor de todas as fontes para isso. Treinamento de força física oriundo da Rússia. Os esportes que mais demandam força física e explosão muscular, dentre eles levantamento olímpico, arremesso de peso e ginástica olímpica são dominados por atletas russos. A Kombato procurando a excelência não busca conhecimento somente em vídeos e livros, mas ao vivo. Enviamos o Instrutor Daniel Villela para os EUA para estudar com o “papa”  dos exercícios de peso corporal, e kettlebell training, Pavel Tatsouline.

6) Resistência muscular


O que é mais importante para as ruas? Dar 300 socos com força média, ou 5 com  potência total? A segunda opção, naturalmente. Desta forma o foco é fazer séries de 5-6 flexões  de grande dificuldade e explosão, ao invés de 50 flexões comuns. O mesmo para abdominais, agachamentos, etc.

7) Velocidade


Os treinos de velocidade são obtidos diretamente com diversos treinamentos com manoplas.  Mas os exercícios de força, é a força motriz por trás da velocidade, somados ao treinamento de manoplas

8) Grupamentos musculares


Cada grupamento muscular é treinado por uma razão específica. Os abdominais para aguentarem socos, e aumentarem a força dos golpes traumáticos, as flexões para aumentarem a potência dos golpes traumáticos feitos com os grupamentos superiores;  a força no pescoço para obter mais resistência a um possível nocaute com socos; agachamentos para resistir a pancadas nas pernas, e ter força nos chutes.

Nota do Instrutor Daniel Villela: a integração de grupamentos, por outro lado, é fator decisivo na expressão da força. Não há tempo ou recurso para um trabalho isolado de cada musculatura, mas principalmente não há vantagem dentro do que o Kombato propõe a entregar: segurança 360°, 24 horas por dia, dependente apenas do praticante. Antes de adicionar "roscas de bíceps" ou "elevações de ombro" a um programa de aulas, pense que cada um deses músculos não trabalha sozinho, principalmente durante conflitos.


9) Explosão cardio vascular


É importante o desenvolvimento da capacidade cardio-vascular e pulmonar para situações críticas, as quais a adrenalina que é inevitável pode lhe dar efeitos colaterais indesejáveis. Já que temos que fazer este desenvolvimento, é melhor fazê-los usando os golpes traumáticos ou exercícios de agilidade, o que serão úteis na situação de conflito, do que polichinelos ou movimentos assim.

Nota do instrutor Daniel Villela: O termo "capacidade de trabalho" identifica o potencial de um sistema em produzir/consumir energia por período prolongado de tempo. Um Kombatente que dá 1 único soco muito potente, mas erra, não obtém os mesmo benefícios daquele que dá 10 socos em série, de potência média, acertando 4. Em outras palavras, é preciso "fôlego" para explodir e reavaliar, repetidas vezes.

10) Adaptabilidade e progressão


Os alunos tem uma progressão didática para cada exercício, sendo alguns trazidos pelo Instrutor Daniel Villela, e outros pelo fundador da Kombato. Isso permite que todos os alunos alcancem os seus objetivos. É bom lembrar que os alunos possuem diferentes níveis de preparo físico e histórico de atividades físicas, assim como histórico de lesões. Atualmente, o aluno mais novo da minha turma tem 11 anos, e possuo 4 acima de 60 anos (60, 63, 65 e 65 anos). O aluno mais baixo deve ter cerca de 1,50 homem, e o mais alto 2 metros. A aluna adulta mais leve 42 kilos, e o homem adulto mais pesado 160 kilos. Tenho ao mesmo tempo 10 alunos graduados com 3 faixas-pretas em artes marciais diferentes, 1 em 4 artes marciais, e muitos que nunca pisaram em uma sala de treinamento. Esta diversidade física deve ser tratada com atenção, para manter o interesse de cada aluno.

11) Sequencia no treinamento.


Os exercícios de força são muito técnicos e é necessário que o praticante esteja com foco suficiente para fazê-los da forma correta. Por isso são feitos logo após a meditação curta, e o aquecimento do líquido sinuvial (para soltar as articulações). O aluno também não pode estar muito cansado para poder aprender. No entanto, sabe-se que se consegue assimilar apenas 15 minutos de novos conhecimentos. Depois de revisar aulas anteriores, treinar técnicas e aprender a técnica do dia, e treino de confronto, se aplica a parte de explosão e resistência cardiovascular, mas ela jamais deve oassar de 2 minutos.

12) Sequencia padrão da aula de Kombato em 2013


Este é o padrão que temos seguido, porém é certo que nos anos seguintes, teremos um treinamento e programa ainda melhor.

Cumprimento, Meditação breve (“fecha os olhos e inspira), Aquecimento do líquido sinuvial.  (2 minutos)
Aquecimento (13 minutos)
- Agachamento feito da forma russa, com uma perna ou duas (Pistola)
- 10 Séries(1 para cada parte do abdômem)  lentas de contrações abdominais de apenas 5 repetições lentas. Perfazendo 50 abdominais.
- Prancha em 4 direções, sendo 15 segundos cada posição, porém com contração máxima.
- Flexão do Kombato: Braços abertos 10 segundos para descer, parada no meio para zerar a capacidade elástica do músculo, e subir o mais rápido possível (batendo palmas).
- Desenvolvimento de força no pescoço, frente e trás (usando das mãos ou tatame).
- Flexão do Kombato com punhos fechados, mãos ao lado do corpo. Mesma forma de fazer que a flexão anterior.
- Um exercícios de isometria ou isocinese do dia, com força total.
- Golpes traumáticos (no ar, manopla, pares, ou qualquer outra forma) 5 minutos
- Intervalo para água. E importante a hidratação a cada 20-30 minutos.
- Sitreps (no ar, em pares, etc) 5 minutos.
- Recon (em pares ou no centro do circulo).  5 minutos
- Matéria e treinamento desta matéria. 15 minutos.
- HIdratação
- Combate sombra, luva, 15 segundos, etc)  ou recon em grupo, 7 minutos.
- Exercício de oposição (um aluno empurra outro resiste, exercícios de velocidade etc)
- 2 minutos de explosão cardiovascular contínua. Isso pode ser: exercícios do TAK, manoplas, socando no ar, etc
- Cumprimento final

13) Treinamento adicional


Se o aluno tiver 15-30 minutos a mais dois ou mais dias da semana poderá ganhar grandes benefícios da prática do Kettlebell Kombato. Mais força, equilíbrio, capacidade pulmonar, Perda de peso, gordura, ou aumento de massa muscular se assim o desejar. O programa de treinamento de Kettlebell Kombato providencia tudo isso, e enfoque no desenvolvimento de valências para os confrontos de rua. Das 6 academias de Kombato no RIo de Janeiro, 3 já adotaram treinamento com Kettlebell como treinamento adicional. Para locais ou alunos que não tem o tempo da aula, eles podem fazer os nossos cursos de Kettlebell para colocá-lo em sua casa. É necessário muito pouco equipamento e espaço físico.

Mestre Paulo Albuquerque